21 de agosto de 2014

O oceano no fim do caminho

Postado por Gabrielly Tobias às 02:01

Neil Gaiman (Intrínseca)

1º edição: Junho de 2013

  Sussex, Inglaterra. Um homem de meia idade volta à casa onde passou a infância para um funeral. Embora a construção não seja mais a mesma, ele é atraído para a fazenda no fim da estrada, onde, aos sete anos, conheceu uma garota extraordinária, Lettie Hempstock, que morava com a mãe e a vó. Ele não pensava em Lettie há décadas, mas mesmo assim, ao se sentar à beira do lago (o mesmo a que ela se referia como um oceano) nos fundos da velha casa de fazenda, o passado esquecido volta de repente. E é um passado estranho demais, assustador demais, perigoso demais para ter acontecido de verdade, especialmente com um menino.
  Quarenta anos antes, um homem cometeu suicídio dentro de um carro roubado no fim da estrada que dava na fazenda. Sua morte foi o estopim, com consequências inimagináveis. A escuridão foi despertada algo estranho e incompreensível para uma criança. E Lettie (com sua magia, amizade e a sabedoria digna de alguém com muito mais de onze anos) prometeu protege-lo, não importava o que acontecesse.


Resenha de bom gosto:

  O oceano no fim do caminho nada mais é do que uma viajem no tempo, na qual a ficção aborda temas reais com inocência e imaginação. A traição, a morte e os diferentes gostos de um menino de 7 anos. A história é narrada em primeira pessoa, o que poderia tornar a leitura um tanto massante, porém não o torna, Gaiman narra com maestria o enredo e os fatos, mesmo não citando detalhes do personagem principal, é possível imaginá-lo, pequeno, um tanto estranho e totalmente seguro ao lado de Lettie Hempstock, a menina já é definida com clareza o que nos dá um apelo emocional para os fatos. Eles se conhecem após o suicídio do Minerador de Opala e se tornam em muito pouco tempo, amigos. A menina dos olhos azuis acinzentados apresenta o seu oceano ao menino, que propriamente dito é um lago no fundo de sua fazenda. Assim como Lettie, sua vó e mãe são um tanto estranhas com roupas fora de moda e uma maneira breve e misteriosa de se relacionar. Depois do do suicídio coisas estranhas passam a acontecer, todas relacionadas com dinheiro, Lettie precisava agir e não teve como deixar o menino de lado, assim eles embarcam em uma aventura para encontrar e expulsar quem ou "oquê" esteja causando tanto reboliço pelas bandas. As consequências dessa aventura podem ser perigosas, marcam as suas vidas e também as nossas, uma história linda sobre amizade, segurança e lealdade. Um livro bastante comentado e discutido, e sem dúvida nenhuma eu fico do lado defensor, assim que comecei a ler minha expectativa era mediana, não compreendi de início como um menino poderia estar relacionado á um oceano, ou até a um assassinato, a ideia meio que me assustou mas logo ao decorrer da história tudo se esclarece e você percebe uma fantasia nenhum pouco infantil sobre os sentimentos e os achares de uma criança.. Me envolvi, chorei e fiquei agoniada, senti emoções diferentes à cada capítulo e isso realmente é difícil, e Gaiman conseguiu. Para quem ama livros de perspectivas e visões diferentes às convencionais, esse sem dúvida é excepcional. O oceano no fim do caminho nos permite interpretar a fantasia e colocá-la à nossa realidade, nos emociona e nos faz querer acreditar no que não pode ser visto, nos mostra que precisamos de um pouco de imaginação e fé (seja lá no que for) para enfrentar o desconhecido. Recomendadíssimo !!

0 comentários:

Postar um comentário

 

Resenhas de Bom gosto Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos