28 de agosto de 2014

Extraordinário

Postado por Gabrielly Tobias às 00:13 0 comentários

R.J. Palácio (Intrínseca)

1° Edição, setembro de 2013

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.


Resenha de bom gosto:

Extraordinário é uma leitura simples e comovente, sobre os desafios de Auggie, um menino que nasceu com uma deformidade facial. A história narra a perspectiva de cada personagem (amigos, colegas de escola e família) diante da dificuldade e da preciosidade que é conviver com Auggie. Os personagens crescem junto com a história, e se rendem ao encanto de August Pullman. Nos ensina MUITO com os preceitos do sr. Browne e com a coragem de um menino que tinha todos os motivos para se esconder, porém optou por viver. O que deixa a história especial, é a forma com que a autora lida com um tema tão polêmico, a aceitação das diferenças, o preconceito desde os pais às crianças de sua escola. Apesar da realidade árdua de ser diferente, Auggie consegue convencer á todos a seu redor de que ele é realmente um menino extraordinário, como qualquer outra criança, com suas peculiaridades e qualidades. Sem dúvida uma lição de vida, nos faz enxergar o tamanho real de nossas reclamações diárias, nos ensina que não nos custa nada, ser gentil e compreensivo com quem nos é estranho, nos dar a oportunidade de conhecer melhor o outro, independente de sua estética, e que sim, podemos nos surpreender com as pessoas, assim como Auggie me surpreendeu. Com certeza um livro pra se ter na estante e reler ! 

27 de agosto de 2014

Perdida

Postado por Gabrielly Tobias às 20:54 0 comentários

Carina Rissi (Verus)

5° Edição, Rio de Janeiro-RJ/ Campinas-SP, 2014.

"Um amor que ultrapassa as barreiras do tempo"
Sofia vive em uma metrópole, está habituada com a modernidade e as facilidades que isto lhe proporciona. Ela é independente e tem pavor a menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são os que os livros lhe proporcionam. Mas tudo isso muda depois que ela se vê em uma complicada condição. Após comprar um novo aparelho celular, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século XIX, sem ter ideia de como ou se voltará. Ela é acolhida pela família Clarke, enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de voltar para casa. Com a ajuda de prestativo Ian, Sofia embarca numa procura as cegas e acaba encontrando algumas pistas que talvez possam leva-la de volta para casa. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos...

Resenha de bom gosto:

Sabe aquele tipo de livro que você lê com aquela pontinha de dúvida se vale a pena? Comprei ele pela sinopse, apesar de achar meia clichê, eu precisava ler algum romance e resolvi comprar. Foi a melhor escolha que eu poderia ter feito, sempre fui meia preconceituosa com filmes clichês de história de príncipe e princesa, com roupas extravagantes e costumes de antigamente, mas me rendi com a escrita detalhada e profundamente real de Carina, devorei ele em 3 dias, e só não foi menos pois precisava cumprir minhas tarefas diárias. A história é narrada em primeira pessoa, Sofia trabalha em um escritório, começou quando ainda era estagiária pela faculdade, assim que terminou foi efetivada e tinha que aguentar seu chefe incrivelmente mal-humorado para pagar as contas, mora sozinha em um apartamento e perdeu seus pais anos atrás, sua melhor amiga Nina e seu namorado Rafa ajudaram a superar a perda. Dentre tantas características comuns de uma jovem de hoje em dia, Sofia não acreditava em amor, não se permitia tal sentimento, tinha sido traída pelo único menino que gostara, e pensava ser feliz assim, esperando subir de cargo e devorando seus romances épicos. Em um acidente com seu celular, foi obrigada a comprar outro, convencida por uma vendedora um tanto peculiar, levou um aparelho dito com muitas funções e acabou num tropeço, indo parar no século 19, aonde um lindo e educado cavalheiro chamado Ian com roupas engraçadas tenta ajudá-la. Nessa aventura de tentar se convencer de que aquilo não era um sonho e ter que se acostumar a se comportar de acordo com a realidade da época, a escritora relata a dificuldade de uma menina do século 21 viver sem as modernidades e facilidades de hoje em dia, em uma época que existia apenas o necessário. Além das várias cenas de humor e drama, o que faz tornar o livro uma obra realmente LINDA é o amor puro e sincero entre duas pessoas que não partilham dos mesmo costumes nem tão pouco dos mesmos gostos e opiniões. Um amor verdadeiro e excitante, aquelas cenas que fazem até seus pelinhos se arrepiarem e a grande MUITO grande atração física e emocional dos dois personagens, a autora nos convence do amor singelo e ardente de Ian e Sofia. Chorei MUITO, me arrepiei MUITO, e jurei nunca mais julgar os amores clichês e as aparências de uma história aparentemente comum. LEIAM, LEIAM, LEIAM ! rs 
 

21 de agosto de 2014

O oceano no fim do caminho

Postado por Gabrielly Tobias às 02:01 0 comentários

Neil Gaiman (Intrínseca)

1º edição: Junho de 2013

  Sussex, Inglaterra. Um homem de meia idade volta à casa onde passou a infância para um funeral. Embora a construção não seja mais a mesma, ele é atraído para a fazenda no fim da estrada, onde, aos sete anos, conheceu uma garota extraordinária, Lettie Hempstock, que morava com a mãe e a vó. Ele não pensava em Lettie há décadas, mas mesmo assim, ao se sentar à beira do lago (o mesmo a que ela se referia como um oceano) nos fundos da velha casa de fazenda, o passado esquecido volta de repente. E é um passado estranho demais, assustador demais, perigoso demais para ter acontecido de verdade, especialmente com um menino.
  Quarenta anos antes, um homem cometeu suicídio dentro de um carro roubado no fim da estrada que dava na fazenda. Sua morte foi o estopim, com consequências inimagináveis. A escuridão foi despertada algo estranho e incompreensível para uma criança. E Lettie (com sua magia, amizade e a sabedoria digna de alguém com muito mais de onze anos) prometeu protege-lo, não importava o que acontecesse.


Resenha de bom gosto:

  O oceano no fim do caminho nada mais é do que uma viajem no tempo, na qual a ficção aborda temas reais com inocência e imaginação. A traição, a morte e os diferentes gostos de um menino de 7 anos. A história é narrada em primeira pessoa, o que poderia tornar a leitura um tanto massante, porém não o torna, Gaiman narra com maestria o enredo e os fatos, mesmo não citando detalhes do personagem principal, é possível imaginá-lo, pequeno, um tanto estranho e totalmente seguro ao lado de Lettie Hempstock, a menina já é definida com clareza o que nos dá um apelo emocional para os fatos. Eles se conhecem após o suicídio do Minerador de Opala e se tornam em muito pouco tempo, amigos. A menina dos olhos azuis acinzentados apresenta o seu oceano ao menino, que propriamente dito é um lago no fundo de sua fazenda. Assim como Lettie, sua vó e mãe são um tanto estranhas com roupas fora de moda e uma maneira breve e misteriosa de se relacionar. Depois do do suicídio coisas estranhas passam a acontecer, todas relacionadas com dinheiro, Lettie precisava agir e não teve como deixar o menino de lado, assim eles embarcam em uma aventura para encontrar e expulsar quem ou "oquê" esteja causando tanto reboliço pelas bandas. As consequências dessa aventura podem ser perigosas, marcam as suas vidas e também as nossas, uma história linda sobre amizade, segurança e lealdade. Um livro bastante comentado e discutido, e sem dúvida nenhuma eu fico do lado defensor, assim que comecei a ler minha expectativa era mediana, não compreendi de início como um menino poderia estar relacionado á um oceano, ou até a um assassinato, a ideia meio que me assustou mas logo ao decorrer da história tudo se esclarece e você percebe uma fantasia nenhum pouco infantil sobre os sentimentos e os achares de uma criança.. Me envolvi, chorei e fiquei agoniada, senti emoções diferentes à cada capítulo e isso realmente é difícil, e Gaiman conseguiu. Para quem ama livros de perspectivas e visões diferentes às convencionais, esse sem dúvida é excepcional. O oceano no fim do caminho nos permite interpretar a fantasia e colocá-la à nossa realidade, nos emociona e nos faz querer acreditar no que não pode ser visto, nos mostra que precisamos de um pouco de imaginação e fé (seja lá no que for) para enfrentar o desconhecido. Recomendadíssimo !!
 

Resenhas de Bom gosto Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos